Diário O Município

WhatsApp Image 2024-05-23 at 16.08.37
D ITALIA 1200 X 300
Capa 3 - 825px X 200px - Podcast
SUNSET 1200 X 300
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
Shadow

Proibição do plantio de soja vem do Ministério da Agricultura e Pecuária; soja é um dos produtos mais produzidos em Santa Catarina e medida é feita para diminuir praga

A soja só pode ser plantada até dia 29 de dezembro em Santa Catarina. A medida foi confirmada pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). A data limite foi definida em julho pelo Ministério da Agricultura e Pecuária.

Para justificar a medida, o MAPA explica que o chamado “calendário de semeadura” é adotado como medida fitossanitária complementar ao período de vazio sanitário. Ele é feito para reduzir ao máximo possível o inóculo da ferrugem asiática da soja, considerada uma das mais severas pragas no plantio da semente.

A medida implementada no Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja tenta prever a racionalização do número de aplicações de fungicidas e a redução dos riscos de desenvolvimento de resistência do fungo Phakopsora pachyrhizi às moléculas químicas utilizadas no seu controle.

Ou seja, na prática, é como aquele velho ditado médico “se você tomar tanto remédio por qualquer doença, a doença pode ficar mais resistente e sua imunidade ficar mais baixa”.

Deputado vai contra medida

Em entrevista à NDTV, o deputado federal Pezenti (MDB) afirma que o prazo para o plantio em Santa Catarina não é suficiente.

“O problema é que no dia 29 de dezembro a maioria dos pequenos produtores vai ter seu único e pequeno terreno ocupado com outras culturas. Na próxima semana vou apresentar um projeto para rever essa portaria que é muito grave e vai afetar o pequeno agricultor”, declara.

Antiferrugem

De acordo com o Ministério, as alterações para essa nova safra levaram em consideração a análise dos dados relativos ao levantamento do Consórcio Antiferrugem, que detectou expressivo aumento nos relatos da ferrugem asiática da soja na safra 2022/23, em função do regime de chuvas ocorrido à época, conforme dados divulgados pela Embrapa Soja.

Só para se ter uma ideia do perigo da doença, a praga chega a trazer perdas de 10 a 90% da produção.

A praga da soja

Segundo a Cidasc, o primeiro registro do agente da ferrugem asiática da soja foi em 1902, no Japão, mas apenas em 1914, o fungo foi descrito pelos pesquisadores Hans e Paul Sydow com o nome atual Phakopsora pachyrhizi Syd. & P. Syd. A praga está presente em 52 países distribuídos entre a África, Ásia, Europa, Oceania, América do Norte e América do Sul.

A doença chegou no arquipélago do Hawaii (EUA) em 1994, e somente na safra 2001/2002 foi detectada pela primeira vez no Paraguai e Brasil, causando prejuízo estimado na época de 2 bilhões de dólares para os produtores brasileiros.

Quando presente em um território, a ferrugem asiática da soja se torna um problema recorrente para os produtores. Estima-se que as perdas em grãos até o momento, no Brasil, chegam a 3,8 bilhões de dólares, sem contar aquelas de ocorrência localizadas, assim como o custo de controle que já ultrapassam os 36 bilhões de dólares, conforme a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

Em Santa Catarina, a data limite para o plantio do grão é dia 29 de dezembro, que pode ser começado a plantar desde o dia 21 de setembro.