Diário O Município

WhatsApp Image 2024-05-23 at 16.08.37
D ITALIA 1200 X 300
Capa 3 - 825px X 200px - Podcast
SUNSET 1200 X 300
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
Shadow

A intoxicação do vice prefeito

Preso na Operação Mensageiro por recebimento de propina, no Complexo Penitenciário da Canhanduba, em Itajaí, o vice-prefeito de Tubarão Caio Tokarski (União Brasil) passou mal depois de se intoxicar com medicamentos, informou o Hospital Municipal Ruth Cardoso, de Balneário Camboriú, onde o vice-prefeito chegou a ser internado na última quarta-feira (17). Em decorrência desse episodio Caio será transferido para o Presídio Santa Augusta, de Criciúma, onde já está o prefeito Joares Ponticelli (PP), também detido pelo Gaeco e Geac, em 14 de fevereiro passado.Caio e o prefeito Joares Ponticelli os dois viraram réus no processo gerado a partir da operação, depois que a denúncia do Ministério Público foi aceita pela quinta Turma Criminal do Tribunal de Justiça. Em Criciúma, Caio não poderá ter contato com Ponticelli, mais uma responsabilidade para a administração do presídio, que já recebeu uma reprimenda do Poder Judiciário por permitir visitas ao prefeito de Tubarão.

O paracetamol que pode ter dado certo…

O vice-prefeito de Tubarão, Caio Tokarski, recebeu alta do Hospital Municipal Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, e já foi transferido para o Presídio Santa Augusta, de Criciúma. No mesmo local estão o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli seu grande aliado politico, e o prefeito de Pescaria Brava, Deyvisson da Silva de Souza que também trabalhou para sua eleição a deputado federal, presos na Operação Mensageiro. Caio foi internado na quarta-feira (17) por intoxicação medicamentosa no Complexo Penitenciário da Canhanduba, em Itajaí. A transferência para Criciúma se dá em atendimento a uma solicitação da defesa do vice-prefeito, sob o argumento de ficar mais perto da família. Antes, Caio passou por uma avaliação médica em Blumenau. Conforme o processo, a avaliação seria para analisar o quadro psíquico dele e constatar se o vice-prefeito estaria com transtorno misto de ansiedade e depressão.

Mas não e bem por ai…

Após avaliação em Blumenau, sem constatação de psiquiatria forense contrária, Caio retornou ao presídio em Itajaí e, na noite de quarta, teria feito uso de medicamentos que provocaram a intoxicação e a consequente internação em Balneário Camboriú. A desembargadora relatora do processo, Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer, determinou que, logo após a alta hospitalar, Tokarski fosse submetido a uma avaliação no Instituto de Psiquiatria de Santa Catarina, em Florianópolis, para fins de avaliação. Depois, ele foi levado a Criciúma, onde ficará preso.
Agora, um despacho da Justiça cobra da Penitenciária de Itajaí uma justificativa para o fato de um interno estar em posse, dentro da cela, de ao menos 32 comprimidos de paracetamol, 22 comprimidos de rivotril e 14 comprimidos de zolpidem.

Em Capivari…

No Legislativo do município de Capivari de Baixo o que chama a atenção é o silencio ou a (soberba) da presidente Beatriz Alves que mesmo contactada pelos veículos de comunicação não responde e nem sequer da atenção ou retorno. Segundo informações a vereadora sofre inúmeras denuncias (inclusive ao Ministério Publico) o que por consequência e prejudicial a sua carreira politica já que com sua ausência a explicar a imprensa inviabiliza uma possível candidatura a que quer que seja.

Assessores e Mordomos

Em filmes de terror ou ainda de suspense o mordomo caminha sempre para ser o culpado. Infelizmente no meio politico o mordomo é substituído sempre pelo assessor. “Oh amigo meu assessor é um telha corrida” ou ainda “ INCOMPETE3NTE”. Acontece que esses políticos desconhecem que seus assessores de imprensa são profissionais de tempos de carreira convivendo conosco. É admissível que o politico avance em suas redes sociais acreditando que o retorno de divulgar e tornar transparente suas ações. Mas não esqueça e não seja injusto que e através da mídia responsável e ética que o dia a dia e suas ações serão devidamente creditadas.